Notícias

Banco deve indenizar cliente usado como escudo humano durante assalto

20/11/2018 DIREITO CÍVEL

Por considerar que houve falha de segurança, a Justiça de Minas Gerais condenou um banco a pagar R$ 20 mil de indenização a um cliente que foi feito refém e usado como escudo humano durante assalto a uma agência bancária.

De acordo com a 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o banco tem dever legal de conduzir a segurança de todos, clientes ou não, que se dirijam a sua agência, sendo responsáveis pelos danos causados ao consumidor.

“No Código de Defesa do Consumidor há excludentes de responsabilidade que se restringem à inexistência do defeito, ou culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro, o que não foi o caso do processo”, disse o relator, desembargador Valdez Leite Machado.

Segundo ele, o assalto foi consequência de falha e inadequação no sistema de segurança do banco, que permitiu que o cliente fosse feito refém e usado como escudo humano.

“Caso contrário, os assaltantes não entrariam na agência. O assalto ocorreu devido às operações desenvolvidas pelo banco, sendo explícita a movimentação de dinheiro em agências, o que exige um sistema de segurança, não só para proteger os valores, como também os clientes”, concluiu, fixando a indenização em R$ 20 mil. O voto do relator foi seguido pelos demais integrantes do colegiado.

Fonte: Conjur